Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
Precisando do nosso logo? Baixe-o em um dos seguintes formatos:
Vetorial (.svg)|Rasterizado em alta resolução (.jpg)|Ícone (.ico)
Obs.: não utilize nossa marca sem autorização.
Feito!
Erro!

Esqueci minha senha
Ouça ao vivo
Logo Google play-50-28Baixar App p/ AndroidLogo apple itunes-50-30Baixar App p/ iOs

Sam Smith: `Saí do armário aos 11, agora ajudo crianças gays`

Anterior ▲Próximo ▼

Vencedor de quatro Grammys, cantor de `Stay with me` fala sobre a luta contra o preconceito

 
« Última» Primeira
ImprimirReportar erroTags:sam, uns, pentelhos, educados, ainda, comunidade, lgbt e caiu293 palavras4 min. para ler
Sam Smith: `Saí do armário aos 11, agora ajudo crianças gays`
Ver imagem ampliada
Sam Smith tem quatro Grammys na estante. Mas, até chegar aí, ele precisou enfrentar muito preconceito. Gay assumido, o cantor conta como sofreu abusos verbais e físicos desde os 11 anos, quando, em suas próprias palavras, “saiu do armário“. Hoje, usa o sucesso e a fama para ajudar crianças que vivem a mesma situação.

“Quando me mudei para Londres, fui socado no pescoço voltando do trabalho. Aquilo foi definitivamente homofóbico. Eu estava no celular falando alto e usava fones de ouvido cor de rosa, então estava bem claro que eu era gay“.

Em entrevista ao tabloide “The Sun“, ele conta ter vivido experiências parecidas desde a infância: “Um grupo de garotos de uma escola rival gritou insultos para mim enquanto eu caminhava da minha casa para a estação de trem. Eu lembro de andar ouvindo gritos o tempo todo. Essa foi a coisa mais mortificante. Eu sabia que essas pessoas eram estúpidas, uns pentelhos mal educados“, disse.

Smith conta ainda que sofreu preconceito da própria comunidade LGBT e que “seu mundo caiu“ na primeira vez em que foi a um bar gay. “Quando eu tinha 17, eu decidi ir a um bar gay. Lembro de um cara, também gay, virar para o companheiro dele e dizer algo realmente desagradável sobre mim. Meu mundo inteiro ruiu e eu me senti muito sozinho“, disse.

Hoje, Smith quer usar sua música para ajudar e inspirar jovens gays. “Só estou tentando fazer música que resista ao teste do tempo. De modo que, em 400 anos, quando um garotinho gay ouvir `In the lonely hour` ou meu próximo álbum, ele se sinta inspirado. Eu quero ser um tipo diferente de popstar. Quero ser aquele que não é `photoshopado`, que é um ser humano normal. A honestidade é atemporal“.

Fonte: O Globo


Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Texto curta nosso site.PNG

Patrocinadores

UnoChapecóUnimed Chapecó