Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
Precisando do nosso logo? Baixe-o em um dos seguintes formatos:
Vetorial (.svg)|Rasterizado em alta resolução (.jpg)|Ícone (.ico)
Obs.: não utilize nossa marca sem autorização.
Feito!
Erro!

Esqueci minha senha
Ouça ao vivo
Logo Google play-50-28Baixar App p/ AndroidLogo apple itunes-50-30Baixar App p/ iOs

Paul Stanley fala sobre novos álbuns da banda KISS

Anterior ▲Próximo ▼
 
« Última» Primeira
ImprimirReportar erroTags:tenhomaisdiscosqueamigos, astro, raízes, artistas, amamos, tentamos, diferente e conseguimos371 palavras5 min. para ler
Paul Stanley fala sobre novos álbuns da banda KISS
Ver imagem ampliada
A banda KISS é um clássico. Reúne fãs de gerações em gerações, tanto é que está na estrada há 40 anos.
Com suas maquiagens, roupas e shows extravagantes, mesmo tendo conquistado o coração de várias gerações ao redor do mundo, ainda assim os roqueiros mascarados se questionam sobre a sua própria relevância.

Conversando sobre a possibilidade de um sucessor para o álbum Monster, de 2012, o vocalista Paul Stanley diz que só valeria a pena fazê-lo se a banda sentisse um desejo criativo para tal – visto que, em sua opinião, os fãs simplesmente “toleram” as novas músicas de bandas clássicas ao invés de clamarem por elas.

No auge dos seus 65 anos de idade, o lendário “Starchild” diz:

“Só vale a pena fazer algo se, artisticamente, você quiser fazer isso. Toda vez que terminamos um álbum, eu fico meio que ‘Bem, é isso aí, pessoal.”

“Quando fizemos Sonic Boom, foi porque a banda estava tão bem que eu pensei que seria uma pena se não capturássemos o momento compondo novas músicas. Mas assim que fizemos, eu disse ‘Bem, chegamos lá.”

“Então, alguns anos depois, foi tipo ‘Ei, porque não vamos mais próximos das nossas raízes e dos artistas que amamos e tentamos algo diferente,’ então fizemos Monster, aí eu disse ‘Conseguimos.”
Eis que o astro resolve rasgar o verbo:

“Ultimamente eu tenho pensado, realmente, que deveríamos fazer mais um disco. Mas é claro pra todo mundo que, quando alguém da nossa geração resolve fazer um álbum, a maioria das pessoas não está interessada em ouvir isso – na melhor das hipóteses elas toleram.”

Ele continua e reforça sua teoria:

“Se você desligasse o som e colocasse um show do Rolling Stones ou do Paul McCartney, eu lhe diria todas as vezes em que eles tocaram uma música nova –  porque é quando o público resolve sentar. Você tolera as músicas novas, porque  quer ouvir ‘Brown Sugar’. Você tolera as músicas novas, porque quer ouvir ‘She Loves You’, ‘Strawberry Fields’ ou qualquer coisa do tipo.”

“Então eu estou ciente que fazer um álbum é mais para minha própria satisfação do que qualquer outra coisa. Dito isso, se eu não sinto a necessidade de fazer um disco, então não há necessidade de fazê-lo.”
[via tenhomaisdiscosqueamigos.com]


Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Texto curta nosso site.PNG

Patrocinadores

UnoChapecóUnimed Chapecó