Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
Precisando do nosso logo? Baixe-o em um dos seguintes formatos:
Vetorial (.svg)|Rasterizado em alta resolução (.jpg)|Ícone (.ico)
Obs.: não utilize nossa marca sem autorização.
Feito!
Erro!

Esqueci minha senha
Ouça ao vivo
Logo Google play-50-28Baixar App p/ AndroidLogo apple itunes-50-30Baixar App p/ iOs

Moradores do Sul, Sudeste e Centro-Oeste devem adiantar relógios em 1 hora na madrugada de sábado para domingo

Anterior ▲Próximo ▼
 
« Última» Primeira
ImprimirReportar erroTags:press, evitam, 19h, adota, empresas, transmissão, investimentos e reduzir250 palavras4 min. para ler
Moradores do Sul, Sudeste e Centro-Oeste devem adiantar relógios em 1 hora na madrugada de sábado para domingo
Ver imagem ampliada
O horário de verão começa à zero hora deste domingo (20), e termina à zero hora de 16 de fevereiro.

Na madrugada deste sábado (19) para domingo, moradores dos Estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País devem adiantar os relógios em uma hora.





De acordo com o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grüdtner, com o horário de verão, os Estados conseguem reduzir o consumo em 0,5%, além da demanda por energia no horário de pico, entre 19h e 21h.

Nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, em termos de consumo, a economia será de 194 MW médios, o equivalente a 25% do consumo mensal de energia da cidade de Brasília.

Já demanda por energia no horário de pico deve cair 4,6%, ou 2.065 MW.


No Sul, a economia do consumo de energia será de 53 MW médios, o equivalente a 75% do consumo mensal de energia da cidade de Curitiba. A demanda deve cair 5%, ou 630 MW.


Segundo Grüdtner, os ganhos com o horário de verão têm sido semelhantes nos últimos anos. “Em termos porcentuais, a demanda costuma cair entre 4,5% e 5%, e o consumo de energia, em média, 0,5%“, disse.


Esse é o 38º ano em que o governo adota o horário de verão. Com isso, as empresas de geração e transmissão evitam investimentos da ordem de R$ 4,6 bilhões.

Além disso, há uma redução na necessidade de geração da energia gerada pelas usinas térmicas, o que gera uma economia estimada de cerca de R$ 400 milhões.

Fonte: Portal ultimosegundo.ig.com.br
Foto: Futura Press

Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Texto curta nosso site.PNG

Patrocinadores

UnoChapecóUnimed Chapecó