Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
Precisando do nosso logo? Baixe-o em um dos seguintes formatos:
Vetorial (.svg)|Rasterizado em alta resolução (.jpg)|Ícone (.ico)
Obs.: não utilize nossa marca sem autorização.
Feito!
Erro!

Esqueci minha senha
Ouça ao vivo
Logo Google play-50-28Baixar App p/ AndroidLogo apple itunes-50-30Baixar App p/ iOs

Estudantes do Recife criam aplicativo para ajudar na acessibilidade

Anterior ▲Próximo ▼
 
« Última» Primeira
ImprimirReportar erroTags:reprodução, usam, cadeiras, metros, chegou, destino, oferece e experiência257 palavras4 min. para ler
Estudantes do Recife criam aplicativo para ajudar na acessibilidade
Ver imagem ampliada
Estudantes da Escola Técnica Estadual Professor Agamenon Magalhães (Etepam), no Recife, desenvolveram um aplicativo para celular que pode ajudar pessoas com deficiência física a circular melhor pelas ruas das cidades.
Por enquanto, o programa ainda está em fase de teste, mas a expectativa é que se torne um grande aliado para os cadeirantes.
Os estudantes usaram mapas disponíveis na internet como base para o aplicativo. Visitando o Bairro do Recife, na área central da capital,  anotaram como são os acessos aos principais pontos turísticos da região mais antiga da cidade, juntaram as informações e criaram o aplicativo.
O ponto de partida de todas as rotas é a Praça do Marco Zero. Um dos integrantes da Associação de Deficientes Físicos de Pernambuco, Edmilson Silva, testou o aplicativo indo do local de fundação da cidade até a Torre Malakoff. 
O percurso indicado na tela é o que oferece mais segurança às pessoas que usam cadeiras de rodas. Após 400 metros, ele chegou ao destino. “É uma experiência boa, que está contribuindo para colocar a acessibilidade em prática. 
Facilitou o percurso, porque você pode encontrar rampas, rebaixamento de piso. É interessante para quem usa cadeira de rodas“, disse.
O programa ainda está em fase de ajustes, mas em breve os estudantes pretendem colocá-lo na internet para qualquer pessoa usar. “A estimativa é terminar esse ano, junto a uma rede social, para que os usuários possam comentar o aplicativo entre si e melhorar a acessibilidade“, relatou o estudante Valdemir Lopes, um dos idealizadores do aplicativo.

Fonte: g1.globo.com
Foto: Reprodução

Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Texto curta nosso site.PNG

Patrocinadores

UnoChapecóUnimed Chapecó